Temos recebido uma série de dúvidas em relação ao registro e/ou patente de um aplicativo. Resolvemos criar este enxuto artigo abordando os principais pontos que você precisa saber sobre o assunto. 

Os aplicativos são considerados programas de computador (softwares), então são regidos pela Lei nº. 9.609/98, também chamada “Lei de Software”. Sendo assim, são protegidos por direitos autorais (copyright), uso não autorizado ou inadequado e também violações, assegurados pelas leis de direito autoral. Tal direito é concedido ao criador ou autor de uma obra.

Para que algum programa de computador seja comercializado deve-se apenas respeitar a legislação referente ao comércio em si e também os recolhimentos tributários, porém, quando o aplicativo está em uso considera-se que está automaticamente protegido e seu criador possuirá propriedade dos direitos, segundo a Lei de Direitos Autorais – Lei 9.610/98.


Patentear ou registrar um aplicativo

Entende-se que para patentear um app devem ser levadas em conta as mesmas leis aplicadas a programas de computador.

Neste caso, um software só é passível de patente quando sua operação está inserida em um hardware e, além disso, quando é essencial para o funcionamento de tal equipamento.

Em resumo: no Brasil não se consegue proteger da cópia de uma ideia ou conceito de um app.

Assim, um aplicativo só poderá ser registrado – não patenteado – visando direitos autorais. Neste caso, o registro protegerá a marca (identidade), mas deixará brechas quanto à proteção do código fonte.

Tais brechas existem pois o registro inibe que copiem literalmente o código do aplicativo, contudo, não impede que organizações ou pessoas reproduzam o mesmo app escrevendo o código do zero ou até mesmo mudando pequenas partes.

Um adendo é que o aplicativo pode ter registro cedido por órgãos que regulam licenças, como o Creative Commons.

Ainda assim, mesmo registrados, os códigos-fonte ainda estão abaixo da lei de direitos autorais. Veja o seguinte trecho retirado do site oficial do CC:

“Todas as licenças mantêm os seus direitos autorais sobre a obra, mas possibilitam a outros copiar e distribuir o trabalho, desde que obrigatoriamente atribuam crédito ao autor e respeitem as demais condições que você escolheu.”

Creative Commons.

Sobre o registro do software no INPI

O registro também é possível no INPI (Instituto Nacional de Propriedade Industrial), contudo, isso não trará muitas diferenças na proteção. O que ocorre é, em caso de necessidade, uma facilitação na prova de sua autoria.

Os direitos autorais de softwares têm sua exclusividade garantida em 50 anos contados a partir de 1° de janeiro do ano seguinte ao da sua publicação.

No período de 50 anos, somente o criador pode autorizar o uso do software e, para tanto, utiliza-se o Contrato de Licença de Uso.

Este contrato não autoriza ao contratante alugar ou comercializar o programa pois somente o criador pode fazê-lo ou autorizar estas práticas.

A reprodução de um único exemplar de back-up não fere os direitos do autor, assim como: citação parcial para fins didáticos (o programa e o titular dos direitos devem ser identificados) ou semelhança funcional com outra aplicação.

O titular do programa de computador poderá registrar sua criação fazendo o pedido do registro que deve contar com as seguintes informações:

  1. Dados referentes ao autor do software e ao titular;
  2. A identificação e descrição funcional do software; 
  3. Os trechos do software e outros dados que se consideram suficientes para identificá-lo e caracterizar sua originalidade.

Ah, embora alguém possa cultivar os direitos autorais por uma obra, outra pessoa ou entidade pode possuir direitos de comercialização e execução. Por fim, a autoria e direito de royalties continua sendo do primeiro.

No Brasil, além do Direito Autoral, temos o Direito de Comercialização (comprar e vender uma obra artística), o Direito de Veiculação (poder passar em canal público de radiodifusão) e o Direito de Execução (tocar em público, por meio mecânico ou ao vivo).

Isso é o que acontece com os artistas tupiniquins: as gravadoras possuem os direitos de comercialização, veiculação e execução: ou seja, a música só é tocada se a gravadora permitir. 

No caso do software, como não existe uma “gravadora” por trás, o próprio autor detém todos os direitos.


Na terra do Tio Sam

Nos Estados Unidos é possível requisitar uma patente provisória e neste caso o investimento é menor (em torno de US$3 mil).

A patente provisória assegura seu direito durante um período prévio ao pedido definitivo que custa cerca de US$8 mil. Somando outros registros, tais nomes e marcas, o custo pode variar de US$5 mil a US$20 mil por país.

Abaixo listamos as patentes de alguns aplicativos conhecidos globalmente:

Waze: US 8612136 B2, US 8271057 B2, US 7936284 B2

Evernote: US 20140007005 A1

Instagram: US 20140078172 A1

Foursquare: US 20130066821 A1


Crie um app de sucesso

Somos especialistas em desenvolvimento de software e aplicativos.

Somos uma fábrica de aplicativos com mais de 10 anos de experiência e mais de 200 projetos de apps entregues. Fomos considerados uma das melhores desenvolvedoras de aplicativos da América Latina pela Clutch.

Na imagem, a UDS Tecnologia, referência em desenvolvimento de software sob demanda, front-end, back-end, desenvolvimento mobile nativo, desenvolvimento mobile híbrido, cloud e DevSecOps.

Agende uma reunião para conversar com um de nossos especialistas e crie agora um app de sucesso para sua empresa!

Leave A Reply