A Edge Computing, ou computação de borda, é uma arquitetura de tecnologia da informação na qual os dados são processados o mais próximo possível da sua fonte de origem ou no local físico do usuário.

Em termos mais simples, em vez de transmitir dados brutos para um data center para processamento e análise, esse trabalho é realizado onde os dados são realmente gerados. Isso pode ser em uma loja de varejo, no chão de fábrica ou em utilitários, como carros, entre outros ambientes.

Em suma, a Edge Computing é qualquer computação que ocorre na borda da rede, em vez de em um servidor centralizado.

Essa proximidade entre os dados em sua origem pode oferecer grandes benefícios de negócios, incluindo insights mais rápidos, tempos de resposta aprimorados e melhor disponibilidade de largura de banda.


Por que usar a Edge Computing?

Atualmente, o número de dispositivos conectados à Internet e o volume de dados produzidos está crescendo exponencialmente, gerando um problema para as infraestruturas tradicionais de data center. As empresas estão inundadas por oceanos de dados.

A perspectiva de mover tantos dados em situações que muitas vezes podem ser sensíveis ao tempo ou a interrupções coloca uma pressão incrível na Internet global, que por si só está sujeita a congestionamentos e quedas de sinal.

Embora a computação em nuvem continue a desempenhar um papel importante na arquitetura de rede, as possibilidades oferecidas pelos dispositivos de IoT, capazes de processar os dados que coletam mais perto da fonte, estão forçando as empresas a repensar sua abordagem de TI a infraestrutura.

É por isso que a Edge Computing já é eleita como o novo paradigma do processamento de dados, chegando para remodelar a TI e a computação comercial.

Em 2025 haverá mais de 75 bilhões de dispositivos de IoT instalados em todo o mundo. Para oferecer suporte a todos eles, será preciso adotar a computação de borda.

Statista

Como funciona a computação de ponta?

O princípio básico da Edge Computing é “se você não pode ir até a montanha, traga a montanha até você”. Ou seja, se você não conseguir aproximar os dados do data center, aproxime o data center dos dados.

Na computação corporativa tradicional, os dados são produzidos em um terminal cliente, como o computador de um usuário. Esses dados são movidos por uma WAN, como a Internet, por meio da LAN corporativa, onde os dados são armazenados e processados. A partir daí, os dados são então transmitidos de volta ao terminal do cliente.

Mas o paradigma de computação tradicional construído em um servidor centralizado e na Internet não é mais recomendado nem adequado para lidar com oceanos de dados do mundo real em crescimento infinito. Limitações de largura de banda, problemas de latência e interrupções de rede imprevisíveis podem conspirar para prejudicar negócios e perder clientes.

Uma vez que os dados não precisam viajar todo o caminho de volta para o servidor central (para que um dispositivo saiba que uma função precisa ser executada), as redes de computação de borda podem reduzir significativamente a latência e melhorar o desempenho. A velocidade e a flexibilidade oferecidas por essa abordagem criam uma gama empolgante de possibilidades para as organizações.

Edge Computing - Como funciona
O funcionamento da Edge Computing

Quais os benefícios da Edge Computing?

  • Reduz o custo da rede.
  • Evita limites de largura de banda.
  • Diminui atrasos de transmissão de dados.
  • Restringe falhas no serviço, incluindo ciberataques.
  • Proporciona controle sobre a movimentação de dados em tempo real.

Para os usuários, os benefícios da Edge Computing significam uma experiência mais rápida e estável. Para empresas e provedores de serviço, o conceito traz aplicações de baixa latência e alta disponibilidade, com monitoramento em tempo real.

Nada menos que 90% das indústrias vão começar a adotar totalmente a Edge Computing já em 2022.

Frost & Sullivan

A seguir, veremos algumas vantagens da computação de borda de forma mais detalhada.

1. Menor latência e mais velocidade

A velocidade é absolutamente vital para os negócios de qualquer empresa. Imagine, por exemplo, a dependência do setor financeiro de algoritmos de negociação de alta frequência: uma desaceleração de milissegundos pode resultar em prejuízos incalculáveis. No setor de saúde, onde os riscos são muito maiores, perder uma fração de segundo pode ser uma questão de vida ou morte.

Além disso, a velocidade não é mais apenas uma vantagem competitiva, mas uma prática recomendada. Para empresas que fornecem serviços baseados em dados aos clientes, velocidades lentas podem frustrá-los e causar danos à marca.

O benefício mais significativo da computação de borda é a capacidade de aumentar o desempenho da rede reduzindo a latência. Uma vez que os dispositivos de computação de ponta processam dados localmente ou em servidores próximos, as informações não precisam viajar tão longe quanto em uma arquitetura de nuvem tradicional.

Mas como funciona a latência na Edge Computing?

Para se ter uma ideia, a atual tecnologia comercial de fibra óptica permite que os dados viajem até 2/3 da velocidade da luz, indo, por exemplo, de Nova York a São Francisco em cerca de 21 milissegundos.

No entanto, à medida que mais e mais dados continuam a ser transmitidos, os congestionamentos de tráfego digital no futuro são praticamente certos. Em 2025, serão gerados 463 exabytes (um exabyte equivale a um bilhão de gigabytes) de dados todos os dias.

Ao processar os dados mais perto da fonte e reduzir a distância física que eles devem percorrer, a computação de borda pode reduzir muito a latência. Isso significa velocidades mais altas para os usuários finais, com latência medida em microssegundos em vez de milissegundos.

A computação de borda capacita a coleta quantidades sem precedentes de dados. Em vez de esperar que as pessoas façam login e interajam com servidores em nuvem centralizados, os dispositivos de computação de ponta estão sempre ligados, sempre conectados e sempre gerando dados para análises futuras.

2. Alto desempenho

Com data centers posicionados mais perto dos usuários finais, há menos chance de um problema de rede em um local distante afetar os clientes locais. Mesmo no caso de uma paralisação em um servidor Edge próximo, os dispositivos continuarão a operar efetivamente por conta própria, já que lidam nativamente com as funções vitais de processamento.

Ao processar os dados junto de sua origem e priorizar o tráfego, a computação de borda reduz a quantidade de dados que fluem de/para a rede primária, resultando em menor latência e velocidade geral mais rápida.

Até 2025, 75% dos dados empresariais serão processados por Edge Computing.

Gartner

A proximidade e a distribuição do processamento conforme a demanda reduz a distância que os dados devem percorrer antes que os serviços possam ser entregues. Isso garante uma experiência mais rápida e contínua para os clientes, que esperam ter acesso a conteúdos e aplicativos de forma instantânea, em qualquer lugar, a qualquer hora.

Com tantos dispositivos de computação de borda e data centers conectados à rede, é muito difícil que qualquer falha encerre totalmente o serviço. Os dados podem ser redirecionados por meio de vários caminhos para garantir que os usuários mantenham o acesso aos produtos e informações de que precisam.

3. Mais segurança

A arquitetura de computação em nuvem tradicional é inerentemente centralizada, o que a torna especialmente vulnerável a ataques de negação de serviço distribuído (DDoS) e a quedas de energia. A computação de borda distribui processamento, armazenamento e aplicativos em uma ampla gama de dispositivos e centros de dados, dificultando que qualquer interrupção possa derrubar toda a rede.

Ou seja, embora haja riscos de segurança, a natureza distribuída da computação de ponta torna mais fácil implementar protocolos de segurança que podem selar partes comprometidas sem desligar toda a rede.

Isso quer dizer que, em vez de transmitir os dados de volta para um data center em nuvem, a computação de borda reduz a quantidade de dados a serem interceptados durante o seu trânsito. Assim, mesmo que um dispositivo seja invadido, ele conterá apenas os dados que coletou localmente, em vez de toda a quantidade que poderia ser exposta por um servidor central comprometido.

4. Maior escalabilidade

À medida que as empresas crescem, nem sempre elas podem prever suas necessidades de infraestrutura de TI. Construir um data center dedicado é uma proposta de alto investimento financeiro.

Além dos substanciais custos iniciais de construção e manutenção contínua, há também a questão das necessidades futuras. As instalações privadas tradicionais colocam uma restrição artificial ao crescimento, prendendo a evolução das empresas ao restringir suas necessidades futuras de computação. Se o crescimento do negócio exceder as expectativas, eles podem não ser capazes de capitalizar as oportunidades devido a recursos de computação insuficientes.

O mercado global de computação de borda deve atingir US $ 16,5 milhões em 2025, crescendo a um CAGR de 32,8% até lá. Para você ter uma ideia, esse valor era de apenas US $ 1,7 milhão em 2017

Gartner

A computação de ponta tornou mais fácil do que nunca às empresas escalarem suas operações. A expansão da coleta e análise de dados não exige mais data centers privados e centralizados, que são caros para construir, manter e substituir quando for hora de crescer novamente. Com servidores de computação de borda locais, as organizações podem expandir o alcance de sua rede de forma rápida e econômica, adaptando-se rapidamente e escalando suas necessidades de dados e computação com mais eficiência e versatilidade.


Por que a Edge Computing é importante?

A computação de borda é importante porque cria novas oportunidades para os negócios de nível industrial e corporativo, maximizando a eficiência operacional, o desempenho e a segurança, além de sua disponibilidade estar “sempre ativa”. É uma abordagem que abre caminho para qualquer empresa alcançar a Transformação Digital na era dos negócios 5.0.

Além disso, a computação de borda é uma estratégia de negócios inovadora e que significa economia de recursos. Segundo a IBM, 3 em cada 10 grandes organizações estão adiantadas nesta jornada, na fase de implementação de uso; em 5 anos, 94% destas organizações já terão incorporado a computação de borda.

A previsão financeira é de que o ROI médio de 6,3% dos investimentos na computação de borda seja recuperado em apenas 3 anos. As organizações esperam obter benefícios de 3 áreas principais: capacidade de resposta, eficiência energética e inovação do modelo de negócios.

A maioria dos especialistas em TI também concorda que, com o crescimento do acesso à 5G, usuários e dispositivos aumentarão em um ritmo incessante. A computação de borda é um recurso poderoso que oferece a solução para esse problema – alguns especialistas dizem que pode até suplantar a computação em nuvem.

Em 2025, 175 zetabytes (ou 175 trilhões de gigabytes) de dados serão gerados em todo o mundo. Os dispositivos Edge criarão mais de 90 zetabytes desses dados.

IDC

Como implantar a Edge Computing em minha empresa?

Tudo indica que a Edge Computing está chegando para ficar e mudar a computação comercial como conhecemos. As empresas já podem aproveitar as suas vantagens para diminuir custos de infraestrutura e aprimorar a experiência do cliente. Mas por onde começar e como adotar essa tecnologia?

Para que haja mais dispositivos conectados e uma maior produção de dados, são necessárias mais infraestruturas servindo ao Edge da rede”, explica Arthur Teixeira, COO (Diretor de Operações) da UDS e especialista em performance de operações de tecnologia.

Para ele, uma das melhores soluções para o “congestionamento da nuvem” é o AWS CloudFront. Utilizado por empresas como Nasa, Amazon Prime Video, Web Motors, Slack e outras grandes, ele é uma CDN (Content Delivery Network ou Rede de entrega de conteúdo) que faz parte do portfólio de soluções da Amazon Web Services (AWS). Sua principal função é acelerar a distribuição de conteúdo estático e dinâmico da web para os usuários.

O CloudFront tem mais de 225 data centers (as chamadas “Edge locations”) espalhados pelo mundo (inclusive, no Brasil) integrados por uma rede privada AWS. Isso garante a baixa latência e a velocidade da entrega dos vídeos, dados, imagens, músicas, apps e outros tipos de conteúdos digitais.

O CloudFront pode ser usado também em conjunto com a funcionalidade existente do AWS [email protected] para operações de solicitação e resposta de origem que consomem muitos recursos de computação. Para obter mais informações, entre em contato e fale gratuitamente com nossos especialistas.

Leave A Reply