Qual é o maior desafio do mundo de hoje?

Um profissional de RH talvez dissesse: “contratar programador”.

É impossível afirmar se ele é o maior, mas, sem dúvidas, está entre as missões mais complexas atualmente.

A pandemia tem bastante influência nisso. Ela acelerou os processos de digitalização e inovação nas empresas. Com isso, a demanda por tecnologia aumentou e os times de TI precisaram crescer na mesma proporção.

Porém, o número de profissionais da área formados por ano não aumenta neste ritmo. Segundo dados da Associação das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom), o Brasil forma anualmente cerca de 45 mil talentos tech, enquanto, no mesmo período, são criadas 70 mil novas vagas no setor.

Com a formação aquém da necessidade das empresas, uma solução encontrada por grande parte dos negócios é a alocação de desenvolvedores e outros profissionais de TI.

Gigantes como a Vale, os maiores bancos do país e os grandes magazines varejistas apostam nesta prática há anos.

O serviço também é chamado de outsourcing de especialistas em tecnologia. Ele se trata da terceirização de profissionais para a área tech da operação. Por meio dessa estratégia, o negócio, que tem a necessidade de ampliar o time, contrata uma empresa para fornecer as pessoas certas para as posições abertas.


Mas afinal, como aumentar o time com a alocação de profissionais de TI?

O grande desafio é encontrar o parceiro ideal para confiar na aquisição de talentos de uma das áreas mais importantes dos negócios atuais. Por isso, na hora de terceirizar o TI, é importante estar atento a alguns fatores para o projeto ter sucesso.

1. Fábrica de Software

Ter uma fábrica de software ao lado da consultoria de alocação de profissionais de TI é um fator bastante relevante, que, muitas vezes, é deixado de lado na seleção do parceiro. Afinal, o contratante pode pensar: “não estou contratando desenvolvimento, estou contratando um time para a minha companhia”.

Na prática, não é assim que funciona. O background de uma software house é um grande diferencial. Esse conhecimento vai fazer com que a parceira saiba a forma ideal de fazer a alocação do desenvolvedor na sua empresa.

A consultoria que também é fábrica tende a ter mais facilidade para contratar. Além disso, por meio da experiência adquirida no mercado, costuma entregar profissionais com técnica de excelência e alinhados às melhores e mais modernas práticas de tecnologia do mercado.

Outro diferencial de ter a fábrica de software por trás da consultoria de alocação é que ela consegue entender as necessidades do contratante de forma mais clara. Afinal, diariamente, têm experiências com transformação digital e inovação.

2. Agilidade

Quando um novo projeto de TI surge ou a demanda na área aumenta, não há como ficar parado. Não ser rápido na tecnologia pode afastar a empresa do sucesso.

Por isso, o parceiro de outsourcing deve ser ágil na apresentação de candidatos, na comunicação e na condução de todo o processo.

Para entender de fato a velocidade do parceiro, um bom indicador é a agilidade das respostas na fase comercial do projeto. Se a empresa não for veloz quando está vendendo para o cliente, ela tende a não ser tão ágil como promete nas dinâmicas de contratação dos profissionais alocados.

3. Capacidade de reposição

Este é outro ponto primordial, que também costuma ficar em segundo plano. Em alocação de Desenvolvedores, agilidade para repor é tão importante quanto velocidade para contratar.

O mercado aquecido significa que o profissional alocado pode receber uma proposta sedutora a qualquer momento. Por isso, a empresa de outsourcing deve ser muito eficiente na reposição.

Perder um profissional em meio a um projeto relevante pode custar caro. Então, a velocidade para apresentar novos talentos para a vaga é uma necessidade para ficar atento.

4. Equilíbrio entre técnica e cultura

A parte técnica é a primeira atenção na hora de validar o talento alocado, mas o fit cultural com a empresa deve entrar nessa balança.

Nada adianta trazer um profissional com amplo domínio tecnológico e sem alinhamento com o negócio que irá atuar. Esse é um erro muito comum no mercado de alocação e que não deve ser deixado de lado.

Para isso, é fundamental contar com uma empresa de alocação, que, além dos testes técnicos, seja capaz de realizar análises comportamentais, para encontrar o candidato ideal.

5. Capacidade de adaptação ao contexto do cliente

A flexibilidade é outro ponto a ser levado em consideração. A empresa de alocação de TI pode ter o seu modelo de trabalho, mas, acima de tudo, deve se adaptar ao desejo do negócio do cliente.

Muitas vezes, a fornecedora tem questões de prazo mínimo de contratação inflexível, proibição do cliente internalizar o alocado se fizer sentido para o negócio dele e outros pontos.

Não deve funcionar assim.

A consultoria de outsourcing deve ser flexível e capaz de resolver as dores do cliente, mesmo que a alocação seja pontual e focada em uma tecnologia bastante específica. Por isso, flexibilidade é outro ponto que merece atenção.

A partir desses pilares, a maneira de contratar o outsourcing de TI fica mais clara e simples.


Seguindo os cinco pontos, é possível encontrar uma boa parceria para auxiliar na área de alocação e hunting.

A UDS Tecnologia tem uma unidade de negócio exclusiva para a área de alocação e hunting de profissionais. Nela, trabalhamos com base em todos esses fatores e auxiliamos empresas como TOTVS, Pet Love, Madero e outras.

Com o apoio da nossa equipe, você contratará de forma ágil e eficiente a squad de alta performance que o seu negócio precisa.

Entre em contato!

Leave A Reply