O que vem por aí? A lista de tendências e de tecnologias estratégicas da Gartner traz novidades que vão transformar o futuro dos negócios entre 2022 e 2027. CEOs, CIOs e executivos de TI devem usar esses insights para analisar como suas organizações precisam evoluir na sua implementação e adoção de tecnologias nos próximos 5 anos.

Acompanhamos as previsões do Gartner IT Symposium / Xpo 2021 Americas, que ocorreu virtualmente de 18 a 21 de outubro. Vamos destacar aqui as 10 tendências em estratégias de negócios e as 12 tecnologias mais inovadoras reveladas no evento.

Conforme as organizações continuam a emergir das consequências da pandemia de Covid-19, CEOs, CIOs e executivos de TI os precisarão buscar gerar valor de maneiras fundamentalmente novas.

Mbula Schoen, diretor de Pesquisa da Gartner

12 tendências de tecnologia que vão impactar os negócios

Tendência 1: Malha de segurança cibernética (Cyber Security Mash)

Uma arquitetura de malha de segurança cibernética é uma estrutura flexível e combinável que integra serviços de segurança amplamente distribuídos e distintos, permitindo que as melhores soluções autônomas trabalhem juntas para melhorar a proteção geral dos ativos das empresas.

Ou seja, é uma abordagem de segurança interoperacional de ferramentas e serviços de segurança, em vez da sua execução em silos. No contexto pós-pandemia, em que ativos de TI operam fora dos perímetros corporativos tradicionais, uma arquitetura de malha de segurança cibernética possibilita que as organizações estendam os controles de segurança aos ativos distribuídos.

Tendência 2: Data Fabric

Data fabric é uma camada de integração e gerenciamento de dados de ponta a ponta baseada na estrutura de malha de dados – uma arquitetura poderosa e integrada que padroniza os aspectos práticos de gerenciamento de dados na nuvem, não-nuvem (local), em dispositivos e IoT.

Entre as vantagens, traz visibilidade e insights automatizados de dados, acessibilidade, controle e segurança. Ou seja, é possível monitorar e gerenciar dados e aplicativos independentemente de onde eles estejam e em tempo real.

Atualmente, o gerenciamento de dados em silos e a falta de acesso a eles resultam em baixo retorno sobre o investimento na infraestrutura, indisponibilidade para produzir previsões úteis e menor produtividade.

O objetivo do Data Fabric é maximizar o valor dos dados e acelerar a transformação digital das empresas, rodando em diferentes arquiteturas e plataformas.

Tendência 3: Computação que melhora a privacidade

A computação que aprimora a privacidade protege o processamento de dados pessoais em ambientes não confiáveis, maximizando a segurança dos usuários

As tecnologias que aumentam a privacidade fornecem um ambiente confiável em que os dados podem ser processados ou analisados; realizam processamento e análise de forma descentralizada e criptografam dados e algoritmos antes de análises ou processamento. Portanto, protege os dados enquanto eles estão sendo utilizados, melhorando a segurança e a privacidade.

A evolução das leis de privacidade e proteção de dados estão impulsionando essa tendência, permitindo que o valor seja extraído dos dados ao mesmo tempo em que atende aos requisitos de conformidade.

Tendência 4: Plataformas nativas de nuvem

As plataformas nativas de nuvem são tecnologias que permitem construir novas arquiteturas de aplicativos resilientes, flexíveis e ágeis, permitindo a rápida resposta às mudanças digitais. Isso melhora a abordagem tradicional “lift-and-shift” da nuvem, que não aproveita os benefícios desta tecnologia e adiciona complexidade à manutenção.

Lift and shift (ou rehosting) significa mover uma cópia de um aplicativo ou de dados existentes para a infraestrutura em nuvem com o mínimo ou nenhum redesenho ou modificação, ou seja, sem parar para reprojetar o aplicativo ou fluxo de trabalho de operações.

As arquiteturas nativas da nuvem são compostas de serviços, como contêineres, plataformas como serviço (PaaS) e microsserviços.

Esses serviços não são conectados a nenhum componente da infraestrutura, permitindo que os desenvolvedores façam alterações a qualquer momento sem afetar outras partes do aplicativo ou projetos da equipe, seja em nuvens públicas ou privadas.

Tendência 5: Aplicativos combináveis

Aplicativos combináveis são construídos a partir de componentes modulares, facilitando o uso e a reutilização do código e acelerando o tempo de lançamento no mercado de novas soluções de software. É um paradigma de produtos dinâmicos, que deixa para trás as experiências com aplicativos estáticos.

Tendência 6: Inteligência de Decisão

A inteligência de decisão é uma abordagem prática para melhorar a tomada de decisão organizacional por meio de análise de dados. Ela usa a IA para prever automaticamente oportunidades e riscos e recomendar as melhores estratégias para lidar com eles.

A inteligência de decisão pode apoiar e aumentar a tomada de decisão humana e, potencialmente, automatizá-la por meio do uso de análises aumentadas, simulações e IA.

Até 2023, pelo menos 30% das grandes companhias devem adotar a Inteligência de Decisão para converter dados massivos em insights valiosos.

Tendência 7: Hiperautomação

A Hiperautomação é uma abordagem para identificar, examinar e automatizar rapidamente o maior número possível de processos de negócios por meio da introdução de inteligência artificial (IA), Machine Learning (ML) e automação robótica de processos (RPA).

A transformação digital exige que as empresas invistam em tecnologias capazes de otimizar processos de ponta a ponta para diminuir a dependência da capacidade humana em tomadas de decisão e processos.

Com a Hiperautomação, as operações ocorrem de forma ágil, escalável e com mais eficácia, aumentando a competitividade em um mercado cada vez mais focado em facilitar e entender as pessoas.

Tendência 8: Engenharia de IA

A Engenharia de IA fornece uma estrutura robusta para a entrega de projetos de inteligência artificial de forma consistente e escalonável. Em essência, ela usa algoritmos, programação, redes neurais e outras tecnologias no desenvolvimento de aplicações e técnicas de IA para os mais variados usos práticos.

Hoje, apenas 53% dos projetos de protótipos de inteligência artificial (IA) vão à produção, de acordo com a Gartner.

Espera-se que a inteligência artificial seja a tecnologia mais disruptiva na próxima década, devido aos avanços na capacidade de computação, velocidade e diversidade de dados e a evolução das redes neurais profundas (DNN).

Tendência 9: Empresas Distribuídas

As empresas distribuídas refletem um modelo de negócios digital primeiro, remoto primeiro para melhorar as experiências dos funcionários remotos, digitalizar os pontos de contato do consumidor e do parceiro e construir experiências de produto. Um aumento no número de funcionários e consumidores localizados remotamente está aumentando a demanda por serviços virtuais e locais de trabalho híbridos.

Tendência 10: Experiência Total

A experiência total é uma estratégia de negócios que integra a experiência do funcionário, a experiência do cliente, a experiência do usuário e a multiexperiência em vários pontos de contato para acelerar o crescimento.

O objetivo da experiência total é gerar maior confiança, satisfação, lealdade e defesa dos clientes e funcionários, por meio do gerenciamento holístico das experiências das partes interessadas.

Tendência 11: Sistemas autônomos

Os sistemas autônomos são sistemas físicos ou de software autogerenciados que aprendem com seus ambientes e modificam dinamicamente seus próprios algoritmos em tempo real para otimizar seu comportamento em ecossistemas complexos.

Isso cria um conjunto ágil de recursos de tecnologia, capaz de suportar novos requisitos e situações, otimizar o desempenho e defender contra ataques sem intervenção humana.

Tendência 12: IA Generativa

Talvez a mais surpreendente e inovadora das 12 tendências em tecnologia seja a IA Generativa: ela “aprende” conteúdos e “lê” objetos a partir de dados e gera novos artefatos semelhantes ao original, totalmente realistas, mas irrepetíveis.

Pode ser usada para projetar ciclos de R&D, criar códigos de software, conteúdos criativos, como vídeos ou redação, formas de design e arquitetura e muito mais.

Em 2025, a IA Generativa será responsável por 10% de todos os dados produzidos, volume que hoje é de apenas 1%.

Gartner

Por exemplo, a U.K. Financial Conduct Authority (Autoridade de Conduta Financeira do Reino Unido) está usando IA Generativa para criar dados de pagamento sintéticos, a partir de 5 milhões de registros de dados de pagamento reais. O conjunto de dados sintéticos criará novos modelos de fraude sem revelar dados de indivíduos.


As 10 previsões estratégicas e inovadoras para os negócios

Previsão nº 1: Dados sintéticos

A mina de ouro dos dados pessoais já tem data para acabar. No lugar deles, devem ser usados dados sintéticos.

Até 2024, pelo menos 40% dos consumidores deverão enganar as métricas e manipular os seus dados coletados na web com informações falsas, disfarçando o comportamento de seus perfis online – e isso impacta o relacionamento das empresas com os consumidores, o desenvolvimento de produtos e os negócios.

Por isso, os chamados “dados desvalorizados” são uma enorme preocupação para CEOs e CIOs, já que, atualmente, as empresas precisam coletar dados pessoais para gerar intimidade e valor para o cliente, além de criar produtos que sejam adequados a determinados perfis.

Segundo as previsões da Gartner, a solução para esse desafio são os dados sintéticos. Eles são sistemas baseados em IA que criam conjuntos de dados artificiais válidos, preditivos e tão precisos que dispensam a coleta de dados pessoais.

Previsão nº 2: Privacidade: os consumidores lutam contra a coleta de dados

Em 2024, 40% dos consumidores enganarão as métricas de rastreamento de comportamento para desvalorizar intencionalmente os dados pessoais coletados sobre eles, dificultando a monetização.

Os consumidores agora estão superconscientes da quantidade de dados que as organizações coletam e, para evitar se tornar “o produto”, eles estão ativamente tentando desvalorizar e manipular os dados coletados. Como resultado, os consumidores estão cada vez mais usando táticas como VPNs, informações falsas ou optando totalmente por não coletar dados.

Previsão nº 3: Neuromining: mineração de dados cerebrais

O Neuromining é a aplicação conjunta de inteligência comportamental e tecnologia para analisar, compreender e influenciar o comportamento humano em escala, permitindo que as organizações obtenham uma compreensão mais profunda dos consumidores.

Em 2027, um quarto das 20 maiores empresas listadas na Fortune será suplantado por aquelas que desenvolvem Neuromining e vão influenciar diretamente o comportamento subconsciente das pessoas, segundo as previsões da Gartner.

A adoção do Neuromining deverá impulsionar melhores relacionamentos com os clientes e aumentar o envolvimento com os funcionários. À medida que a neurociência continua a evoluir, essa técnica se tornará cada vez mais sofisticada e precisa.

Previsão nº 4: O adeus ao chefe: equipes autogerenciáveis

Atualmente, com a adoção do Ágil em 30% das organizações e da ascensão do trabalho híbrido em mais da metade das empresas do mundo, cerca de um terço das equipes pode operar sem uma função de gerente tradicional.

A pandemia aumentou a necessidade de resiliência organizacional, gerando mais agilidade nas empresas. Por definição, o Ágil requer um ambiente de confiança que não se presta às hierarquias tradicionais.

Em 2024, 30% das equipes corporativas estarão sem chefe devido à natureza ágil e híbrida do trabalho.

O aumento na força de trabalho híbrida revela que uma grande parte dos gerentes não tem o conjunto necessário de habilidades para gerenciar funcionários em situações remotas ou híbridas, e apenas 47% por cento dos funcionários acreditam que seu “chefe” pode direcionar a equipe ao sucesso.

Previsão nº 5: Supresa: a África é o próximo grande centro de startups

Até 2026, um aumento de 30% no talento de desenvolvedor em toda a África ajudará a transformá-lo em um ecossistema de startups líder mundial, rivalizando com a Ásia no crescimento de fundos de risco.

Ao longo da última década, o capital de risco que fluiu para a África continuou a crescer tanto de investidores locais quanto estrangeiros. O cenário tecnológico próspero do Quênia foi apelidado de “Silicon Savannah” na África Oriental e é o lar das startups mais avançadas do continente.

Ao mesmo tempo, o aumento dos canais de educação da informação para desenvolvedores está tornando o desenvolvimento de software mais acessível em larga escala. Além de um aumento nas oportunidades para startups, outros países estão começando a aproveitar os recursos de talentos disponíveis na África.

Previsão nº 6: Negócio modular ou falência

A disrupção é o novo normal. Mesmo antes da pandemia, as organizações estavam lidando com guerras comerciais, Brexit, mudanças climáticas e uma série de outros desafios internos e externos.

Em 2024, 80% dos CIOs listarão o redesenho modular de negócios por meio da composição como um dos 5 principais motivos para o desempenho acelerado dos negócios.

Atualmente, 74% das organizações têm algum tipo de implementação de tecnologia modular ou baseada em componentes em andamento. Geralmente, as organizações estarão focadas na flexibilidade e adaptabilidade, em vez da estabilidade, para conter a volatilidade do mercado.

Previsão nº 7: A guerra contra ataques cibernéticos

Em 2024, os ataques cibernéticos devem danificar tanto as infraestruturas críticas que pelo menos um membro do G20 retribuirá com um ataque físico declarado.

Embora os recentes ataques de segurança cibernética em grande escala a hospitais, governos, depósitos de água e instalações de energia tenham sido considerados crimes, suas capacidades cada vez mais devastadoras, e possivelmente mortais, significam que em breve serão considerados atos de guerra.

O aumento na regulamentação em níveis nacionais fará com que as empresas não sejam as únicas responsáveis por prevenir e limitar o alcance dos danos.

Por sua vez, ataques de grupos cibercriminosos contra infraestruturas críticas poderão diminuir em frequência e intensidade à medida que os cibercriminosos se ajustam à realidade de represálias cibernéticas por parte de agências militares e de inteligência.

Previsão nº 8: Rompendo com clientes ruins

Todo mundo fala que o cliente é rei, mas poucos sabem identificar o “cliente tóxico” e o quanto ele é extremamente danoso aos negócios.

Reter os maus clientes afeta diversos aspectos dos negócios: custa muito tempo e dinheiro para satisfazer esse perfil. Por exemplo, é inútil a empresa personalizar ou projetar soluções atraentes, porque eles não percebem valor na oferta, reclamam de forma irracional e, em geral, abusam da equipe de atendimento. Enfim, envenenam a marca e prejudicam os lucros de longo prazo, além do seu impacto emocional nocivo sobre os funcionários.

Até 2025, 75% das empresas devem “romper” com os clientes inadequados, porque o custo de manter maus clientes no pipeline impede a aquisição daqueles que são adequados.

Gartner

Ou seja, as empresas devem “dar adeus” aos maus clientes e aplicar seus recursos em quem realmente vale a pena investir tempo, dinheiro e garantir a máxima satisfação: os bons consumidores.

Conforme os líderes entendem mais sobre esses custos, eles ficam mais confortáveis em abrir mão dos clientes improdutivos.

Previsão nº 9: Hipertokenização e “gaming-tokening”

Até 2026, uma empresa que apostar na gamificação de tokens estará entre as 10 empresas de maior valor em todo o mundo.

As empresas estão reconhecendo rapidamente o potencial dos tokens não fungíveis (NFTs) para aumentar os modelos de negócios e gerar novos fluxos de receita.

Os blockchains públicos estão aumentando exponencialmente a capacidade de conectar digitalmente o valor representado por tokens, trazendo mais uma onda de oportunidades aparentemente ilimitadas no mundo digital.

Os tokens fungíveis e não fungíveis estão conduzindo um segmento desse novo fenômeno, chamado de “hipertokenização”.

Previsão nº 10: Mais Internet por menos

Até 2027, os satélites em órbita baixa estenderão a cobertura da Internet para mais 1 bilhão de pessoas entre as mais pobres do mundo, tirando 50% delas da miséria.

Estabelecer bases de celulares em áreas rurais é caro e ineficiente. Os satélites em órbita baixa oferecem uma solução mais barata e flexível. Eles são capazes de fornecer ilhas de conectividade, de forma que as redes possam ser implantadas diretamente onde os clientes estão, em vez de se espalhar por várias regiões de maneira linear.

Além disso, o lançamento de novos satélites atenderá novas necessidades crescentes. À medida que a Internet se tornar mais amplamente disponível, ela adicionará bilhões de usuários recém-conectados, mudando a web como conhecemos em termos de utilidades, conteúdos e cultura.


Qual será o impacto destas tendências e tecnologias nos negócios?

Algumas dessas inovações tecnológicas representam a base dos recursos técnicos necessários para competir em um mundo digital, enquanto outras fornecem recursos orientados para os negócios se posicionarem à frente da concorrência.

Há uma forte integração entre a maioria das tendências, apontando para a adoção de várias combinações de tecnologias para competir em diferentes momentos do ciclo de crescimento dos negócios.

Isso quer dizer que essas tendências se complementam e ajudarão a atender às prioridades de líderes e organizações para escalar, se adaptar e crescer no contexto disruptivo – que, ao que tudo indica, veio para ficar.

O Gartner IT Symposium / Xpo 2021 é o encontro mais importante do mundo para CIOs e outros executivos de TI. Os executivos de TI contam com essas conferências para obter insights sobre como suas organizações podem usar a TI para superar os desafios de negócios e melhorar a eficiência operacional.


Sua empresa precisa realizar a Transformação Digital com mais rapidez e segurança? A UDS adota as melhores e mais ágeis metodologias para estruturar produtos digitais de alta qualidade em parceria com o seu time de TI. Entre em contato e prepare os seus negócios para o futuro.

Leave A Reply