Será que é possível executar Design Sprint mantendo o trabalho remoto e em apenas 4 dias? Sim, basta fazer algumas adaptações.

As distâncias geográficas não devem mais ser um obstáculo à colaboração e à criatividade. Quem entende disso melhor do que uma equipe de desenvolvimento de produto digital?

Partindo dessa percepção, as etapas de um processo que estabelece os fundamentos de criatividade e colaboração na fase de concepção do produto – o Design Sprint – devem ser pouco complexas, certo?

Embora isso pareça agradável de escutar e pareça simples no papel, a realidade é que, para muitas marcas, o processo de Design Sprint já é difícil quando conduzido em um local físico e muito mais com equipes remotas.

Mas agora o remoto é o novo local de trabalho normal, e é preciso adaptar metodologias e técnicas de colaboração em equipe para o espaço global. Um desses novos processos de trabalho a distância é o modelo de Design Sprint Remoto.


Qual é a metodologia de design sprint?

O processo de Design Sprint (também conhecido como uma das melhores práticas de UX) é uma metodologia passo a passo de 5 dias que atende a questões críticas de negócios e produtos por meio de design, prototipagem e teste de ideias. Construído pelo Google e pela GV (Google Ventures), é uma mistura de inovação, estratégia de negócios, design thinking, ciência do comportamento, etc., reunidos para criar uma forma de trabalho que qualquer equipe pode utilizar.

Design sprint em 4 dias com equipes remotas

O processo do design de experiência do usuário (UX Sprint) é concebido entre gerentes de produto, desenvolvedores e designers, que trabalham nas áreas de inovação e solução de problemas para responder a algumas das questões mais críticas com as quais uma marca tem dificuldades:

  • Como podemos converter uma ideia em um protótipo validado mais rápido?
  • Como podemos garantir que estamos projetando o produto certo antes de investir uma grande quantidade de dinheiro nele?
  • Como podemos testar se o conjunto de recursos que temos em mente é aquele de que os usuários necessitam?

Os desafios de executar Design Sprint Remoto

Mesmo que o processo de Design Sprint de produto pareça simples, conduzi-lo remotamente é difícil, especialmente por esses motivos:

  • Diferença de fuso-horário e disponibilidade da equipe: a UX Sprint exige sessões intensas e envolventes entre os participantes. Agendar e alinhar equipes distribuídas por longos períodos pode ser um enorme desafio.
  • Baixo nível de engajamento: no modo remoto, a concentração da equipe está a um clique de ser desviada pelo YouTube ou WhatsApp. Manter todo mundo focado é uma questão-chave que as equipes de sprint enfrentam.
  • Desafios específicos da tecnologia: bateria fraca, condições ruins de internet e microfones com defeito são um trio que pode fazer com que as etapas de seu projeto dêem errado.

Esses desafios podem gerar frustrações abundantes na equipe. Por isso, é importante saber algumas dicas para adaptar o modelo do Design Sprint ao ambiente remoto, como, por exemplo, a pré-sprint.

Aqui estão algumas das configurações de pré-sprint podem tornar o processo de design remoto mais tranquilo:

  • Crie um template de Pré-Design Sprint. Para garantir que você obtenha o máximo do sprint de design remoto, prepare todos os materiais de Design Sprint e o template com antecedência, desde os insights ocorridos com o cliente até a documentação compartilhada, entre outros aspectos, devem ser reunidos e divididos com toda a equipe antes do início do processo.
  • Forme a equipe. Uma equipe pode ser de 5 a 7 pessoas. O decisor e o facilitador já são importantes em um time de sprint, mas são ainda mais fundamentais em um processo de Design Sprint Remoto. O decisor é quem tem a palavra final, enquanto o facilitador assume a responsabilidade de trazer toda a equipe no mesmo andamento do processo com a ajuda da tecnologia necessária.

Organização do evento de sprint

O método UX Design Sprint exige que todos os membros da equipe estejam disponíveis, sem distração, por 5 dias. Embora factível quando estamos trabalhando no mesmo espaço, colaborar por vário dias consecutivos se torna um obstáculo quando operamos remotamente.

Isso pode ser facilmente resolvido com um fim de semana entre os dias de decisão e prototipagem. Assim, a equipe poderá abordar a criação do protótipo com uma mente renovada na segunda-feira.


A logística da preparação da pré-sprint

Caso a sua empresa ainda não tenha uma tecnologia adequada para o trabalho remoto, é possível criar uma configuração mínima, em que todos os membros tenham: câmera, microfones, conexão de internet rápida, para assistir vídeos durante 5 dias, e um quadro branco para desenhar os esboços.


O Processo de Design Sprint Remoto de 4 dias

Com o processo de pré-design sprint pronto, é hora de dar uma olhada no processo de execução de Design Sprint Remoto em apenas 4 dias.

Cronograma:

1° Dia: Esboço e mapeamento

Essa fase consiste em reunir a equipe da sprint e fazer um brainstorming do produto e da solução que ele ofereceria ao cliente. O dia inteiro é utilizado para pesquisar se o produto é funcional e necessário e se ele é a solução completa que o cliente busca. Aqui, também discutimos as alternativas do que seria possível fazer se o produto não existisse.

Quanto mais você faz brainstorming e tem contato com esse processo, mais percebe que esta etapa é a mesma que uma empresa de design e desenvolvimento de aplicativos móveis segue ao validar um Produto Mínimo Viável (MVP).

2° Dia: Storyboarding

Já com várias ideias presentes, a equipe fixa um plano de ação no segundo dia da sprint, desenhando um storyboard contendo perguntas como:

  • Como o usuário chegaria até o aplicativo?
  • Por que o abriria?
  • Quais os seus recursos e funcionalidades?
  • Qual a ação que ele deve executar, uma vez dentro do aplicativo?

Adicione todos os materiais e recursos necessários para apoiar as hipóteses do storyboard.

3º Dia: Prototipagem

Com o storyboard pronto e a ideia decidida, vá para o estágio de desenvolvimento do protótipo. A ideia não é construir um produto que será implementado nas lojas, mas um aplicativo que as pessoas possam rodar e experimentar. Existem várias ferramentas de protótipos com as quais é possível trabalhar para criar uma versão clicável do seu aplicativo.

O processo de desenvolvimento do protótipo deve ser feito com a intenção de permitir a sua testagem no 4º dia da sprint.

4º Dia: Testagem

Esta é a última etapa do processo de Design Sprint, quando a equipe testa o seu protótipo e compartilha suas experiências. É recomendável gravar essas sessões para voltar a elas quando o aplicativo atingir o estágio de desenvolvimento.

Isso é tudo o que é preciso saber sobre como conduzir o trabalho de Design Sprint Remoto em apenas 4 dias. Mas as verdadeiras histórias de sucesso se encontram em algumas dicas secundárias que as empresas inovadoras de design de aplicativos móveis conhecem.


Dicas de sucesso para executar o Design Sprint Remoto

  • Caso a equipe não tenha disponibilidade durante o mesmo período de tempo, divida a sprint em duas semanas.
  • Prepare o resumo da sprint e o template com antecedência.
  • Permita pausas amplas para os membros da equipe se manterem motivados.
  • Restrinja as multitarefas: o foco da equipe deve estar apenas na sessão de Design Sprint.
  • Cada membro da equipe remota pode dividir a sua tela, uma parte para a chamada de vídeo e outra para o quadro branco digital, para que todos possam ver os participantes e o quadro ao mesmo tempo.

Precisando criar o melhor aplicativo para sua empresa? A UDS é especialista em Design Sprint e desenvolvimento de produtos digitais e aplicativos em 5 dias. A UDS também conta com profissionais de TI para alocação ou terceirização. Conheça nosso serviço de Outsourcing e entre em contato com nossos especialistas.

Leave A Reply