Nos últimos anos, a tecnologia impulsionou a Transformação Digital no agronegócio e a agroindústria, mudando rapidamente a forma como esse setor tradicional funcionava há milênios. Por conta dessa revolução, hoje esse conjunto de atividades se denomina AgroTech ou Agro 4.0. Para que esta expansão continue ocorrendo, percebemos uma série de tendências de Transformação Digital que estarão presentes no Agronegócio.

Agricultores, produtores de alimentos e fabricantes de insumos devem adotar, nos próximos anos, pelo menos uma dessas 6 dessas tendências principais de Transformação Digital no agronegócio. Ao usar a tecnologia como um recurso sustentável e escalável, é possível levar a produção de alimentos a um patamar jamais visto de produtividade, previsibilidade e economia de custos.

A produção da agroindústria deve aumentar 60% até 2030. Mesmo assim, a população mundial continua crescendo, o que pode afetar a disponibilidade de recursos no futuro.

McKinsey

Como a Transformação Digital deve impactar a Agro 4.0?

Novas tecnologias para a indústria da agricultura e do agronegócio vão abrir oportunidades em todas as fases da produção, incluindo preparação da terra, plantio de sementes, cultivo, colheita e criação de gado.

Por exemplo, a tecnologia pode ser utilizada para operações remotas de tratores, colheitadeiras e outras máquinas autônomas, traçando rotas para evitar desperdício de recursos e aumentar o tempo produtivo. O controle remoto e inteligente do maquinário possibilita também que as operações sejam realizadas em quaisquer condições e em qualquer horário.

A indústria Agro 4.0 abriu uma fronteira jamais pensada de desenvolvimento, impulsionada pelo avanço rápido e sustentável de 6 principais tendências de tecnologia que vieram para transformar o agronegócio e a agroindústria. Toda a cadeia de valor agrícola deverá desenvolver estratégias de Transformação Digital para se beneficiar dessas transformações.

1. Internet das Coisas (IoT): os sensores no campo

Há um potencial extremo para o uso da IoT no setor de alimentos, simplificando e agilizando a coleta, a inspeção e a distribuição geral de recursos agrícolas usando sensores em equipamentos e materiais.

Esse é o caso de sensores colocados estrategicamente ao redor dos campos, juntamente com tecnologias de reconhecimento de imagem, permitindo que os agricultores visualizem suas safras de qualquer lugar do mundo. Esses sensores enviam informações atualizadas, em tempo real, para que as alterações possam ser feitas de acordo com suas safras, como a manutenção do volume adequado de água. Tais alterações são feitas em uma escala maior que a manutenção humana, resultando em maior produção de alimentos com menos desperdício.

2. IoT e sensores nos equipamentos

Muito similar à IoT no campo, os sensores estão sendo colocados em equipamentos agrícolas para rastrear o funcionamento do maquinário e muito mais.

Com a “agricultura de precisão”, tratores e outros equipamentos agrícolas já saem de fábrica com sistemas de navegação e uma variedade de sensores – alguns com a capacidade de compensar terrenos irregulares usando GPS; outros fazem o mapeamento de produtividade e documentação de colheita ou monitoram quando os tratores precisam de manutenção. Juntos, esses sensores estão reduzindo a quantidade de tempo de inatividade das máquinas.

3. Drones e monitoramento de safra

Os agricultores trabalham em campos que se estendem por centenas de hectares, o que significa que a única maneira de obter uma visão geral é através das imagens aéreas de um avião, o que envolve altos custos. Drones estão sendo usados para monitoramento de safras como um meio de combater a seca e outros fatores ambientais prejudiciais, reproduzindo as áreas plantadas com imagens em 3D, prevendo a qualidade do solo por meio de análises de padrões e planejamento futuro de plantio de sementes.

Drones também estão sendo usados para pulverizar produtos químicos nas plantações, com o cuidado de não penetrar nas águas subterrâneas. Estudos recentes mostraram que os drones podem aumentar a velocidade de pulverização em até cinco vezes, em comparação com outros tipos de máquinas.

4. Inteligência Artificial e Robótica

O uso de robôs e Inteligência Artificial (IA) na agricultura melhora a produtividade e traz rendimentos mais altos e mais rápidos. Robôs de pulverização e remoção de ervas daninhas como os utilizados pela John Deere podem reduzir o uso de agroquímicos em incríveis 90%.

Outras empresas de robótica estão experimentando o laser e a orientação de câmeras para identificar e remover ervas daninhas sem intervenção humana. Esses robôs podem navegar entre as fileiras de plantações por conta própria, reduzindo a mão de obra. Outras empresas estão criando robôs de transplante de plantas que adicionam um novo nível de eficiência aos métodos tradicionais.

5. Sensores RFID e rastreamento

Depois que as safras são colhidas, os sensores RFID podem ser usados para rastrear os alimentos desde o campo até a loja. O usuário final, ou consumidor, pode acompanhar toda a trilha detalhada do produto, desde a origem na fazenda até o local onde foi comprado. Essa tecnologia pode aumentar a confiabilidade em relação aos fabricantes e a sua responsabilidade de fornecer produtos saudáveis e frescos.

Por exemplo, com a tecnologia RFID é possível saber onde surgiu um surto de E. Coli ou outras bactérias prejudiciais, rastreando o produto até onde ele foi processado. Esses sistemas podem ainda reduzir a apreensão em relação aos alérgenos e atender aos requisitos de saúde de consumidores cada vez mais exigentes.

6. Aprendizado de máquina (ML) e data analytics

Talvez uma das tendências mais inovadoras da Transformação Digital na agricultura seja a capacidade de usar o aprendizado de máquina (Machine Learning) e análises avançadas de dados para extrair informações sobre as sementes, prevendo quais características e genes serão os melhores para a produção agrícola. Isso traz aos agricultores de todo o mundo as cepas mais adequadas para sua localização e clima.

Os algoritmos de aprendizado de máquina também podem ser usados para mostrar quais produtos estão sendo mais comprados no mercado de consumo, ajudando a prever quais plantios são mais propícios para venda em determinadas épocas.

O futuro da agricultura mundial depende da Transformação Digital, liberando os produtores de preocupações com rendimento da safra, clima, solo, demandas de consumo e previsão de chuvas, entre outras aplicações inovadoras que devem permitir uma revolução de ultraprecisão nas práticas agrícolas – e contribuir até mesmo para a sobrevivência da humanidade.

Leave A Reply